As deliberações sobre investimentos da Quasar se dão por meio de um comitê de investimento, cujas decisões são tomadas por unanimidade. As teses de investimento são preparadas pelos sócios responsáveis em cada mandato de investimento.

Estrutura de tomada de decisão:

Estrutura de tomada de decisão

O processo de análise de potencias Ativos-Alvo envolve inúmeras variáveis e deve ser revestido de cuidados básicos para que, desde a sua origem, o investimento a ser realizado possa ser bem avaliado e todos os potenciais riscos possam ser devidamente mitigados.

A Quasar conta com uma estrutura de originação focada na seleção de empresas que respeitam requisitos de diversificação setorial, qualidade das condições econômico-financeiras e detentoras de Ativos-Alvo estratégicos para o Fundo. Além da prospecção direta, a Quasar conta com diversas parcerias com bancos e assessores financeiros para apresentação de casos de investimento.

A Quasar se preocupa em desenvolver políticas que permitam avaliar criteriosamente as informações relativas aos ativos. Este processo precisa ser feito de forma descentralizada. Esta descentralização permite conferências e equilíbrios (checks and balances) que só podem ser atingidos quando diversas áreas envolvidas observam o projeto de forma autônoma e independente. O processo é feito de forma transparente, visando mitigar riscos e alinhar no resultado o interesse de todas as equipes, pois não há vencedores ou vencidos no processo dependendo de uma resposta.

O principal objetivo desta análise é conhecer os riscos que se está correndo ao realizar o investimento (aquisição ou construção/reforma do ativo imobiliário). Conhecendo os riscos, é possível mitigá-los e ou apreçá-los corretamente, maximizando os resultados dos cotistas do Quasar Agro – Fundo de Investimento Imobiliário e, por consequência, o resultado da Quasar.

Assim, a Quasar busca recomendar o melhor tipo de estrutura a viabilizar o investimento no ativo imobiliário, mitigando riscos para os investidores.

Em etapa prévia à análise para o investimento no ativo imobiliário, serão obtidas informações e documentos preliminares, bem como deverão ser adotadas determinadas providências, tais como:

  • Seleção de Ativos-Alvo para prospecção;
  • Visita da área de originação ao cliente;
  • Identificação de racional que sustente o investimento no ativo imobiliário, além de definição preliminar dos termos e condições (valor e prazo) do investimento;
  • Recebimento de informações cadastrais e demais informações básicas;
  • Consulta às principais centrais de proteção ao crédito: SERASA, SCPC e SISBACEN;
  • Realização de reunião interna de apresentação da empresa.

Uma vez decidida pela continuação da análise, procede-se ao estudo detalhado do ativo imobiliário objeto do potencial investimento a ser realizado no que tange a todos os aspectos que podem impactar o cumprimento do contrato, inclusive avaliação do ativo, quando aplicável.

Concluído o estudo, seguem-se as fases de aprovação e estruturação do projeto:

  • Realização de Comitê de Crédito - Análise do Parecer do Comitê de Crédito para prosseguimento da estruturação
  • detalhada para eventual aquisição/construção do ativo imobiliário, inclusive quanto ao desenho da operação (e.g. duração, mitigadores de risco);
  • Validação do laudo produzido pelos parceiros do Fundo especialistas nas respectivas áreas de atuação (estrutura física/engenharia civil, maquinário, implementos, etc.) quanto ao real valor dos ativos imobiliários a serem adquiridos/construídos;
  • Realização de diligência jurídica do proprietário ou titular do Ativo-Alvo, sua estrutura e verificação das certidões, fiscal e judicial do proprietário ou titular do Ativo-Alvo;
  • Formatação da estrutura da operação, definição de covenants e kickers (quando aplicável);
  • Realização do Comitê de Investimentos e Riscos para aprovação do investimento e definição do monitoramento;
  • Realização mensal de Comitê de Monitoramento para verificação de cumprimentos contratuais e revalidação da exequibilidade do contrato.